terça-feira, 13 de novembro de 2012

quando se fecha a porta

chego quando o sol queima o mar. recebes-me com a pele quente. rasgando até ao fundo de mim. por dentro. onde está mais quente. apertas-me. fundo-me em ti. a escaldar. somos um corpo. uma respiração a dois. uma boca que sofre. quatro mãos que ganham vida própria. no peito há tambores invencíveis. o chão foge. o mundo fica tão longe. nos minutos estão os prazeres. entre palavras impróprias. escandalosas. cruas. entre abusos consentidos. quando se fecha a porta.


10 comentários:

Braulio Pereira disse...

caricias que seduzem...desejo fogo.


beijo.

Roberto Esmoris Lara disse...

Bellos momentos en los que el mundo queda tan lejos
Gracias, poeta

ReltiH disse...

SUS VERSOS QUEMAN!!! UN PLACER VISITAR SU ESPACIO.
UN ABRAZO

© Piedade Araújo Sol disse...

e quando se fecha aporta tudo pode acontecer...

S* disse...

Adoro essa intensidade.

Mar Arável disse...


Vagarosos instantes

. intemporal . disse...

tn.

.

. ensejos . amadurecentes .

.

.

Braulio Pereira disse...

vim para estar contigo.

gosto

Amo

beijo.

Mariseven Zanon disse...

Assiom que é bom!
Um abraço e um lindo fim de semana!19 rtanfren

Raven disse...

E nunca vi a intimidade tão bem descrita.